quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Johnny "Tarzan" Weissmuller

Em 2 de julho de 1904, nascia na pequena cidade de Timisoara na Romênia, o pequeno János Weissmüller; filho de família com descendência alemã. Aos 7 meses de vida, mudou-se para os EUA com a família, onde teve o nome adaptado para a nova origem: Johnny Weissmuller. Esportista desde criança, Johnny dedicou-se a natação, esporte que lhe proporcionou 5 medalhas olímpicas nos Jogos Olímpicos de 1924 e 1928, estabalecendo ao longo da carreira 67 recordes mundiais. O porte físico e as excepcionais qualidades atléticas fizeram que recebesse o convite para deixar as competições e ingressar no mundo das produções cinematográficas. Em 1929, fez uma pequena aparição no musical Glorifying the American Girl; posteriormente entre 1931 e 1932 participou de alguns curtas-metragens que traziam a natação como tema principal. Neste último ano assinou contrato com a MGM para personificar o personagem de Edgar Rice Burroughs, estreando uma longa sequência que se seguiria, com o filme Tarzan, the Ape Man (Tarzan, o Filho das Selvas).

O filme conta a história de um grupo de aventureiros que se embrenham na selva africana em busca do lendário "Cemitério dos Elefantes" que os levaria a uma extraordinária fortuna em marfins. Nesta aventura, os amigos Harry Holt (Neil Hamilton), James Parker (C. Aubrey Smith) e sua filha Jane (Maureen O'Sullivan), enfrentam os mais diversos perigos nesta difícil empreitada. Acompanhados a distância por Tarzan (Johnny Weissmuller), o grupo vê a jovem ser raptada pelo Homem Macaco. Neste ponto, a origem do encontro de Tarzan e Jane diverge da versão original de Burroughs.

Assustada a jovem teme pela sua segurança ao lado de Tarzan, porém, a medida em que este enfrenta os maiores desafios para protegê-la, acaba se apaixonando por ele. Paralelo ao relacionamento entre Tarzan e Jane, a aventura prossegue até o "Cemitério dos Elefantes". Apesar da precariedade dos recursos tecnológicos da época, o filme prima por cenas de profundo realismo como nas batalhas de Tarzan contra animais selvagens. O sucesso alcançado nessa edição, proporcionou a Weissmuller, outras produções pela MGM até 1942, quando no ano seguinte, já pela RKO continuou até 1948. Weissmuller protagonizou 12 filmes do Tarzan, e coube a ele desenvolver e imortalizar o poderoso grito de vitória do Homem Macaco; que posteriormente seria utilizado por outros atores em outras produções. Ainda em 1948, abandonou o personagem Tarzan e ingressou numa nova sequência, interpretando um outro personagem quase tão famoso,também ligado as aventuras na África selvagem: Jungle Jim (Jim das Selvas).

Aposentado em 1965, envolveu-se numa campanha publicitária, juntamente com outros dois ex-Tarzans, Jock Mahoney e James Pierce, para a divulgação do seriado de TV do Homem Macaco estrelado por Ron Ely. Curiosidade à parte, devido as suas qualidades olímpicas, cultivou-se a lenda de que as cenas onde era perseguido pelos crocodilos, eram verdadeiras, diz-se que Weissmuller saltava na água alguns segundos a frente dos crocodilos que eram soltos em seguida. Johnny Weissmuller tornou-se o mais famoso e importante de todos os Tarzans do cinema, recebendo o prêmio The George Eastman Award, uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood, além da homenagem recebida pelos Beatles na capa do álbum Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band. Seus últimos trabalhos no cinema foram pequenas pontas em 1970 e 1976, respectivamente: The Phynx e "Won Ton Ton, The Dog Who Saved Hollywood".

Em sua vida pessoal, casou-se cinco vezes, Bobbe Arnst (1931-1933); Lupe Vélez (1933-1939); Beryl Scott (1939-1948); Allene Gates (1948-1962) e Maria Brock (1963-1984). Ao longo desses relacionamentos, teve três filhos com Beryl Scott: Johnny Weissmuller Jr., Wendy Anne e Heidi Eliazabeth. Curiosamente, o extraordinário atleta, faleceu aos 79 anos de idade, em 20 de janeiro de 1984, vítima de um edema pulmonar. Para quem não conhece, ou deseja conhecer a obra de Weissmuller, segue sua filmografia: "Tarzan, the Ape Man", Tarzan and His Mate, Tarzan Escapes, Tarzan Finds a Son!, Tarzan's Secret Treasure, Tarzan's New York Adventure, Tarzan Triumphs, Tarzan's Desert Mistery, Tarzan and the Amazons, Tarzan and the Leopard Woman, Tarzan and the Huntress e Tarzan and the Mermaids; além dos 16 episódios no seriado "Jungle Jim".

14 comentários:

Marcia Moreira disse...

O primeiro contato que tive com o Tarzan foi com a série da década de 1960. Só depois conheci Weissmuller.

Rubi, passe lá no meu blogue e pegue mais um selinho.

Beijos.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Olá, parceira, depois de umas pequenas férias, O FALCÃO MALTÊS está de volta, disposto a continuar celebrando sua paixão pelo cinema clássico.
Gosto muito da Jane de Maureen O'Sullivan.

Cumprimentos cinéfilos!

O Falcão Maltês

Gabriel França disse...

Os únicos filmes do Tarzan que avi foram com ele, e adorei! Ouvi dizer que o Johnny Weissmuller enlouqueceu e ficou gritando até os últimos dias de sua vida o famoso grito do Tarzan, mas acho que só não passa de boatos pois pesquisei na wikipédia para por no post das maldições do cinema, mas lá não diz nada a respeito, deve ser boato mesmo.

Roderick Verden disse...

Li alguma coisa, na época , do final de vida do Johnny Weissmuller, final muito triste, por sinal. Se não me falha a memória, o astro estava com dificuldades financeiras e sofrendo muito devido a debilidade de sua saúde. Falavam que ele ficava gritando, no hospital, o imortal grito do Tarzan, que, pelo que li, era ampliado nas películas em que interpretava o personagem. Weissmuller, no tocante à decadência física, me faz lembrar o mesmo que aconteceu com Rock Hudson...

Assisti muitas vezes o "Jim das Selvas", mas , de nada mais me lembro.

Iza disse...

Gostei de saber mais sobre o Johnny. Não sabia que ele era romeno de descendência alemã - pelo sobrenome, sabia que teria descendência germânica. Adorei o post. Beijão <3

Patrícia disse...

Adorei essa história dos crocodilos kkkk...será? Que proeza então ele tinha kkkk!
Bem conheço os Tarzans de 60 pra cima, sabia q tinha anteriores mas nunca procurei saber, to adorando conhecer esse e o do post anterior, bem excêntrico aquele
Bjkas, Rubi

Camila França disse...

Olá!
Realmente o livro parece bom, mas ainda estou no comecinho e a leitura tá bem difícil. O livro se passa na Rússia e tem várias citações e trocadilhõs de lá, aí confunde. Não me apaixonei por ele ainda, já li diversos livros que o começo foi massante, mas depois a gente simplesmente não consegue parar de ler.

Agora, esse Tarzan fez 12 filmes! Cacete! rs
E essa história do crocodilo, Dells, será que ele ganhava periculosidade? rs

E ele também tinha um senhor corpo hein...

Beijinhos, Rubi, bom feriadão!

http://particularidadesdaminhacabeca.blogspot.com.br

disse...

A figura de Johnny jamais será dissociada da de Tarzan. Seus filmes são cheios de aventura e com efeitos especiais hoje risíveis, mas muito interessantes e divertidos.
Beijos!

Tsu disse...

Oi Rubi!
Muito legal saber sobre a vida e história desse ator...vemos ele sempre como Tarzan que chega até a ser estranho ver que ele tinha uma história kkkkk.
Ah sim...acho legal que vc curta os posts cosplays...eu também adoro fazê-los, mesmo me dando um trabalho dos diabos para pesquisar e decidir quais serão publicados: muitas fotos legais ficam de fora senão as sessões seriam extensas demais.
Bom eu acho legal exposições de arte e coisa e tal, mas não abandonaria um rolê mais maluco com a galera em prol disso rs. Mas onde foi realizado? Se é no centro de SP é bom porque depois dá para andar pela cidade.
Nossa, a idéia de bolarmos um passeio está virando é lenda! Agora acho que só resta...ZW rs.
bjs

Sonhos Pré-Concebidos disse...

Passando pra desejar um ótimo fim de semana! :D

M. disse...

Esse Tarzan antigo, clássico, era o que havia! Excelente post! Bom fim de semana!

Maxwell Soares disse...

Adoro tuas Sessões, Rubi. Você vai explorando a Ideia até as últimas consequências. Isso é, extremamente, didático. Vou já mostrar está postagens de Tarzan para o meu irmão. Ele é fã do homem-macaco. Obrigado pela referência. Vou assístir, em breve. Na lista está, também, "La calbagata del circo". Não olvidei. Um abraço...

Aline disse...

Mais um Tarzan!!! Esse personagem é clássico né, quantos atores já deram vida a ele...

Beatriz Alencar disse...

Nossa, muito interessante a carreira do Johnny, Rubi! Nunca vi alguém sair de campeão olimpico para astro do cinema :D Muito legal.

Postar um comentário

Esse blog destina-se a trazer informações, curiosidades, músicas e muitas dicas. O universo de pesquisa é muito vasto e se você tiver interesse em algo ou alguém deste universo em especial, faça sua sugestão e na medida do possível tentarei apresentar um trabalho que lhe agrade.

 
↑Top