sexta-feira, 28 de outubro de 2011

James Whale

Falar sobre um gênero tão apreciado que é o terror, e não citar James Whale, é como falar sobre suspense e não citar Hitchcock. Diretor de obras como Frankenstein, The Old Dark House, The Invisible Man e Bride of Frankenstein, James Whale nasceu no dia 22 de julho de 1889 em Dudley, Inglaterra. Filho de metalúrgico e enfermeira, Whale era o sexto de sete filhos. Durante sua adolescência, trabalhou como sapateiro e compositor. Com o dinheiro que recebia, matriculou-se na Dudley School of Arts and Crafts até a Primeira Guerra Mundial, quando viu-se obrigado a alistar-se no exército britânico. Em 1917, após ser capturado pelo exército alemão, começou a escrever e desenhar, descobrindo assim, seu talento para o teatro. Já na Inglaterra, vendeu dois desenhos na Bystander porém, infelizmente, não foi além disso. Em 1919, com o auxílio de Nigel Playfair, deu os primeiros passos rumo a carreira artística, trabalhando como ator, diretor e cenógrafo.

Homossexual assumido, após conhecer Doris Zinkeisen iniciou um relacionamento que durou até 1925. Em 1928 o diretor R. C. Sherriff, do drama 'Journey's End', deu a Whale a oportunidade de dirigir uma de suas produções com Laurence Olivier. Contando com Maurice Evans e Colin Clive no elenco, a peça foi um sucesso e em pouco tempo, já estava sendo apresentada nos mais diferentes e renomados teatros. Com os direitos para reproduzir a peça na Broadway, Gilbert Miller também convidou Whale para dirigir a peça. Adaptada para as telas de Hollywood, a peça também foi um sucesso e contou com a participação de Colin Clive novamente. Em 1929, viajou para Hollywood e assinou seu primeiro contrato com a Paramount Pictures, no mesmo ano produziu The Doctor Love e conheceu David Lewis, com o qual assumiu uma relação que durou cerca de 23 anos. Posteriormente, uniu-se a Howard Hughes e produziu, em 1930, Hell's Angels.

Em 1931, após assinar contrato com a Universal Studios, lançou Waterloo Bridge com Mae Clarke como protagonista. O sucesso foi tanto que no mesmo ano, o chefe da Universal, Carl Laemmle, Jr, deu a Whale o direito de escolher qualquer filme dentre as propriedades do Estúdio. Foi então que ele escolheu Frankenstein e deu a Boris Karloff o papel principal, transformando o filme num dos maiores clássicos de todos os tempos. Seguindo uma sequência fantástica de produções e influenciado pelo trabalho expressionista de F.W. Murnau, lançou entre as décadas de 30 e 40: Impatient Maiden; The Old Dark House; The Kiss Before the Mirror; The Invisible Man (O Homem Invisível), com Claude Rains; By Candlelight; Bride of Frankenstein (A noiva de Frankenstein); Dracula's Daughter; The Thin Man; Remember Last Night?; Show Boat (1936); The Road Back; All Quiet on the Western Front; The Man in the Iron Mask (estrelado por Louis Hayward e Joan Bennet); The Great Garrick; Port of Seven Seas; Wives Under Suspicion e Green Hell, seu último filme (com Douglas Fairbanks, Jr., Joan Bennett e Vincent Price no elenco) e Hello-out there! que não chegou a ser lançada; por isso, Green Hell é sua última produção.

Aposentado, voltou ao teatro para realizar algumas peças, construiu seu próprio estúdio e realizou pequenos curtas durante a Segunda Guerra Mundial. Em 1956, Whale sofreu um AVC e foi hospitalizado. No ano seguinte, no dia 29 de maio, aos 67 anos de idade suicidou-se ao se afogar na piscina de sua própria casa. A carta escrita pouco antes de cometer o ato foi divulgada e as últimas palavras de Whale foram : "O futuro é apenas velhice, doença e dor ... Eu devo ter paz e este é o único caminho". Lembrado até hoje como o Mestre do Horror, recebeu as devidas homenagens através do filme Gods and Monsters (1998); dos livros biográficos escritos por Mark Gatiss "James Whale: A Biography ou James Whale: the Would-Be Gentleman" e por James Curtis (James Whale: A New World of Gods and Monsters); e por uma estátua erguida em Dudley, Inglaterra no ano de 2002.

12 comentários:

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Grande diretor. Fiquei comovido com sua cinebiografia DEUSES E MONSTROS.

O Falcão Maltês

*♡* Jane Dos Anjos *☆* disse...

Como as historias desses diretos são incrives né!? Eu já assisti um filme onde contava a historia de vida dele e amei o filme!!
Sei que vc não posta selos no seu Blog, mais gostaria de dizer que mesmo não postando eu indiquei vc a um!! Pois aqui na blogosfera vc tem a chave do meu coração, é um selo pra homenagear as pessoas mais queridas que eu sigo!!
Beijuuuus

Blog UaiMeu! disse...

Engraçado que ele remete a lembrança do Frankenstein mesmo e filmes de terror ou suspense. Como Wood Allen remete a comédia!

boa dica, Rubi!
Bjs
Renata

Roberta Vládya disse...

Acho que sempre escrevo isso, mas não custa dizer de novo: AMO AS MÚSICAS QUE VOCÊ COLOCA *---*
Vou indicar seus blog para meu professor. Faz orgulho ler você.

robertavladya.blogspot.com

Karla Hack dos Santos disse...

Nossa.. fiquei arrepiada com este post... Que homenagem linda!
A visão única dele iluminou a estranheza bela de certos monstros...

;D

Carla Marinho disse...

http://blogsdecinemaclassico.blogspot.com/2011/10/links-da-semana-de-24-30-de-outubro.html

Carla Marinho disse...

Post indicado nos links da semana:
http://blogsdecinemaclassico.blogspot.com/2011/10/links-da-semana-de-24-30-de-outubro.html

Tsu disse...

Oi Rubi!
Ah Poe é um gênio incomparável..no que diz respeito á habilidade de escrita. Sim, ele morreu jovem..mas grandes artistas daquela época tiveram um fim semelhante. Morte jovem, envolvendo bebida, depravagem e insanidade mental...mas talvez essa vida de libertinagem (bom nem tanto por Poe depois do casamento porque o cara, diferente do Byron, era um pé rapado). Esse foi o Mal do Século rs.
Bom, sobre Murnau foi triste mesmo..mas eu penso que esses verdadeiros gênios sempre são mais reconhecidos depois de sua morte. Com o Poe foi assim também..
Veja o link do meu artigo sobre a série Monster. Lá eu explico o conteúdfo da obra..todo mundo que vê fica fascinado com esse anime. É bem psicológico.
Ah eu quero assistir a aula do Seu Madruga de novo!! Ele é um PHD! hohoh Então tá fechado? Tu vai no ZW? Ai te mando mensagem ou te ligo pra combinar certinho!
bjs!!

Bruno Müller disse...

Taí um cara que sou fanzaço. Tem até umas teorias sobre a homossexualização do livro e do filme Frankeinstein, sobre aquela coisa da criação de vida (no caso da criatura)sem a necessidade de uma mulher, aproveitando que Whale era um homossexual assumido, como vc disse. Wathever, esse cara dirigiu grandes clássicos e o admiro muito. Pena q teve uma morte tão trágica. Ótimo post, Rubi!

Ps: Fiz o post especial de Dia das Bruxas, se quiser dar uma olhada acho q vc vai gostar: http://prunosland.blogspot.com/2011/10/as-maiores-monstras-do-cinema.html

bjss

Kiko Lemos disse...

As últimas postagens do blog estão me fazendo relembrar do meu tempo de faculdade, James Whale foi outra figurinha carimbada que tive de estudar na cadeira da História do Cinema. Frankenstein chegou a ser oferecido Bela Lugosi (icone do cinema terror), mas que recusou o papel, filme fruto da época "dark" da Universal, as primeiras produções do estúdio eram voltadas ao terror.

O Homem Invisível é um dos seus trabalhos que mais gosto, época que o terror não era apenas mostrar sangue e tripas.

Grande abraço

Bruna Worspite disse...

Nossa, grande história de vida!
Genial as obras que ele criou.


Bjs
http://bruhworspite.blogspot.com/

Karla Hack dos Santos disse...

Ah.. a homenagem no filme Deuses e Monstros foi primorosa, neh?!

;D

Postar um comentário

Esse blog destina-se a trazer informações, curiosidades, músicas e muitas dicas. O universo de pesquisa é muito vasto e se você tiver interesse em algo ou alguém deste universo em especial, faça sua sugestão e na medida do possível tentarei apresentar um trabalho que lhe agrade.

 
↑Top