quarta-feira, 1 de maio de 2013

Civilization (1916)

Em 1916, a parceria entre os diretores Reginald Barker, Thomas H. Ince e Raymond B. Oeste deu origem ao filme Civilization. A produção, que foi comparada ao clássico The Birth of a Nation (O Nascimento de uma Nação), foi a primeira a mostrar Jesus Cristo e consequentemente, a levantar opiniões diversas. Começando com um prólogo realista sobre os soldados e a triteza das milhares de mães que tem seus filhos arrancados abruptamente de seus colos, as primeiras palavras deixam claro que que numa guerra não existe o certo e o errado, mas simplesmente os que pagam por ela. A história começa com o Conde Ferdinand (Howard C. Hickman), construtor de um moderno submarino, sendo designado pelo Rei de Wredpryd (Herschel Mayall) a comandar e conduzir a batalha com o objetivo de destruir um navio carregado de munições e civis. Entretanto, ao avistarem o referido navio, Conde Ferdinand resolve contrariar as ordens recebidas ao constatar que o navio conduzia mulheres e crianças. Esta atitude causa revolta junto à tripulação levando-o a um enfrentamento armado com a mesma, e após dominar a situação provoca o afundamento do submarino.

Como resultado de toda violência gerada no conflito e a morte de toda a tripulação, o Conde Ferdinand teve sua alma lançada no purgatório; porém dada a nobreza de seu ato para salvar mulheres e crianças, Jesus (George Fisher) o salva do purgatório. Entretanto, anuncia ao Conde que utilizará seu corpo terreno para voltar ao mundo dos vivos e através dele, pregar novamente a paz entre os povos. À partir daí, os valores humanos são colocados à prova.

 


Bastidores: O sucesso e as críticas - A declaração de Yazujiro Ozu
O filme que demorou 1 ano para ser lançado, teve um orçamento em torno de um milhão de dólares para ser produzido conforme às exigências dos três diretores envolvidos. O roteirista C. Gardner Sullivan, disse em entrevista que teve inspiração pra escrever na manhã do domingo de Páscoa de 1915, e rapidamente passou para o papel a ideia principal, intitulando-a The Mothers of Men. O tempo de gravação reuniu centenas de pessoas e garantiu a obra uma das mais belas fotografias da época.

Composto por cenas grandiosas que vão desde batalhas campais, navais e aéreas; a produção contou com o apoio da Marinha dos EUA que lhes emprestou navios para as filmagens. Ao longo da propaganda do filme, a imprensa divulgou os gastos exacerbados causados pelo naufrágio de um transatlântico, os gastos com munições, elenco (cerca de 40 mil pessoas), dez mil cavalos, 40 aviões e cidades inteiras que foram construídas, apenas para serem destruídas. Civilization trouxe pela primeira vez às telas de cinema um ator interpretando Jesus Cristo, cabendo a George Fisher esta difícil tarefa. O filme foi um sucesso popular quando de seu lançamento em 1916, sendo inclusive considerado a última grande conquista dos Estúdios Ince, porém causou várias divergências entre a crítica especializada. O cineasta Yasujiro Ozu, diretor do clássico Era Uma Vez em Tóquio (1953), declarou que decidiu tomar a profissão de diretor de cinema após assistir Civilization. A obra em questão, que foi considerada uma resposta ao polêmico "The Birth of a Nation" (1915) de D.W. Griffith, recebeu da Library of Congress indicação para preservação pela National Film Registry devido a seu inestimável valor histórico.

7 comentários:

Malu Silva disse...

Vir aqui é sempre estar em contato com o que de melhor há nas telas... Eu amo passar por aqui e poder rever o que conhecer e saber do que desconheço. Um grande abraço!

REINVENTANDO disse...

Amei as resenhas..quero assistir os filmes!!
Abraços.Sandra

disse...

Ouvi falar do filme quando lia sobre O Nascimento de uma Nação. Agora, fiquei ainda com mais vontade dever! Mais um filme adicionado à minha lista infinita! :)
Beijos!

Beatriz Alencar disse...

Parece ser ótimo Rubi! vou procurar saber mais sobre ele :D Abraços,

Tsu disse...

Oi Rubi!
Eu estou be e vc? Tudo certo por aí? Muita correria?
Então..a intenção é ter um pouco mais de tempo para o blog mas...acho que não estou tendo muita sorte nisso rs.
Walking Dead é, junto com HGame of Thrones, a série do momento. É excelente não apenas o figurino mas a hisatória. Está diferente do gibi mas igualmente bom. Vc vai adorar.
Menina, a animação russa de Snow Queen atraiu minha atenção desde o começo, principalmente pelo design da rainha. Procurei feito louca pra baixar mas não tive sucesso. Valeu por passar o link. Eu sei que vou encontrar pq consegui em dvd o Animais do Bosque dos Vinténs rs.
Não sei pq gosto tanto dessa obra..acho que é pelo fato de ela ter um conteúdo subtendido que pode ser muito explorado. Lembro que a série Teatro dos Contos de Fadas também fez a adaptação.
Enfim...eu queria que essa obra fosse nas mãos da disney á muito tempo, ainda na época...rolou um desenho na web que seria desse projeto antigo..olha que sensacional seria a rainha: http://3.bp.blogspot.com/-WheXHyVzubs/TvO8zOc2XcI/AAAAAAAAFb4/qCws_KZZO2U/s1600/SnowQueen_ikerpazsmall.jpg
Bom..vamos nos falando!
bjs

Aline Diedrich disse...

Que interessante! O primeiro filme a abordar Jesus Cristo trouxe uma perspectiva diferente dos filmes atuais com uma temática parecida...

Jefferson C. Vendrame disse...

Rubi como faço para ver esse filme? Foi lançado no Brasil?
Adoro o cinema mudo mas é tão difícil encontrar bons títulos no mercado nacional. Adorei a temática do filme, o primeiro cartaz que você postou é perfeito e vale por mil palavras.
Parabéns pelo Post e por sempre nos presentear com essas pérolas raras.

Grande Abraço!

Postar um comentário

Esse blog destina-se a trazer informações, curiosidades, músicas e muitas dicas. O universo de pesquisa é muito vasto e se você tiver interesse em algo ou alguém deste universo em especial, faça sua sugestão e na medida do possível tentarei apresentar um trabalho que lhe agrade.

 
↑Top