quarta-feira, 2 de outubro de 2013

O Rival de Méliès: Segundo de Chomón

Nascido Segundo Víctor Aurelio Chomón y Ruiz no dia 17 de outubro de 1871 em Teruel/Espanha, Segundo de Chomón foi o pioneiro do cinema espanhol, considerado por muitos o único grande rival de Georges Méliès. Infelizmente, seu trabalho não obteve o reconhecimento merecido, e nos dias atuais pouco se sabe sobre suas obras. Dono de uma filmografia que conta com exatamente 172 títulos, Chomón tinha um estilo ilusionista e simples na produção de seus filmes. Seus primeiros passos na carreira artística ocorreram graças a sua mulher Julienne Mathieu, que apareceu nas telas do cinema pela Pathé Frères. Em 1900, Chomón tornou-se agente da produtora onde sua eposa trabalhava e, no ano seguinte, produziu seu primeiro filme: Descente du Mont Serrat. Especializou-se na técnica de filmes coloridos e truques de câmera, sendo considerado por empresários e cineastas um dos produtores e diretores mais valiosos de seu tempo. Em 1907, juntou-se a Ferdinand Zecca,e a parceria resultou no remake do filme Vie et Passion de Notre Seigneur Jésus Christ, dirigido em sua primeira versão por Ferdinand Zecca.

(foto: cena do filme Les Tulipes) Faria novas parcerias com Gaston Velle, Juan Fuster, Alberto Capellani e Émile Cohl. Em 1910, abriu seu próprio Estúdio, que teria uma vida curta, Iberico Films. Dois anos depois, aceitou convite para trabalhar na Itália produzindo novos filmes. se por um lado Méliès deixava a desejar em seus filmes durante os anos de 1907-1912, Chomón desfrutava de seu período mais produtivo. No final de sua carreira, dedicou-se na arte de criação de efeitos visuais, que foram utilizados nos filmes Maciste in Hell (1925) e Napoléon (1927), respectivamente de Guido Brignone e Abel Gance.Também trabalhou no processo de colorização dos filmes, ao lado do produtor suíço Ernest Zollinger.

(foto: cena do filme Superstition Andalouse) Chomón pensou em voltar às telas por tempo integral, mas foi impedido de forma repentina e inesperada, devido a um ataque cardíaco. Faleceu no dia 2 de maio de 1929 em Paris, aos 57 anos de idade.No mesmo ano da morte de Chomón, os surrealistas organizaram uma noite para reabilitar a reputação de Georges Méliès, esquecendo as obras de Chomón. Ao longo do período do cinema mudo alguns colecionadores começaram a reconhecer alguns de seus curtas, e foi apelidado de "Méliès Espanhol". Dois de seus filmes, Lespectre Rouge (1907) e El Hotel Electrico (1908) circularam em meio ao mercado dos colecionadores.

Em 2010, a Filmoteca de Cataluña reuniu num DVD, 31 obras de Chomón; antes disso, em 1994, o governo espanhol lança um selo postal em sua homenagem. Dentre suas obras mais famosas, destaque para Les Kiriki Acrobates Japonais (foto), que pode ser assistido ao clicar no link.

5 comentários:

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Que interessante!

http://ofalcaomaltes.com/

Page disse...

Another informative and fun read! : )
Page

disse...

Embora eu conheça Ferdinand Zecca, Segundo de Chomón era um nome novo para mim. Vi vários dos filmes dele nos últimos dias e concordo que ele é o único à latura de Mélies.
Beijos!

Aline Diedrich disse...

É lamentável que tenha 172 títulos e seja pouco reconhecido... Mais um post muito interessante!

M. disse...

Texto e pesquisa primorosos! Não canso de repetir que seu blog é um grande achado!

Postar um comentário

Esse blog destina-se a trazer informações, curiosidades, músicas e muitas dicas. O universo de pesquisa é muito vasto e se você tiver interesse em algo ou alguém deste universo em especial, faça sua sugestão e na medida do possível tentarei apresentar um trabalho que lhe agrade.

 
↑Top