sábado, 25 de fevereiro de 2012

Buster Keaton

Nascido em 4 de outubro de 1895, Joseph Frank Keaton Jr., mais tarde conhecido por Buster Keaton foi um dos grandes nomes do cinema mudo; ator e diretor foi considerado o maior rival de Charlie Chaplin. Iniciou sua carreira artística ainda criança, aos três anos de idade, participando de uma peça teatral ao lado de seus pais, onde aprendeu a técnica para representar quedas e tombos extraordinários que mais tarde levou as telas de cinema. Porém, foram anos difíceis onde enfrentou diversas situações de censura devido a sua pouca idade. Contudo, a turnê dos Keatons prosseguiu por anos, e durante este período, impossibilitado de frequentar uma escola normal, o pequeno Buster aprendeu a ler e a escrever com a sua própria mãe. Já contava com seus 21 anos quando sua mãe resolveu abandonar a companhia de teatro pois seu marido enfrentava problemas com o alcoolismo e já estava denegrindo a imagem do grupo.

Estabelecendo-se em Nova York ao lado da mãe, Keaton passou a demonstrar grande interesse pela sétima arte, vindo a estrear no cinema em 1917 com o filme The Butcher Boy. Em seguida, participou de várias outras produções apenas executando algumas pontas e finalmente em 1920 passou a dirigir seus primeiros curtas-metragens. Curiosamente, Keaton trazia consigo uma deficiência auditiva adquirida durante a sua participação na Primeira Guerra Mundial, o que felizmente não o impediu de prosseguir na sua empreitada. Envolvido na produção de pequenas películas realizou seu primeiro grande sucesso em 1923, Our Hospitality (Nossa Hospitalidade), seguido por Sherlock, Jr., The Navigator e The General (considerado seu filme mais polêmico, pois abordava a Guerra Civil americana). Uma particularidade de suas produções, era a composição do elenco quase sempre repetido em todos os filmes.

O perfil de suas comédias baseava-se em corridas, quedas e fugas, sempre levando o espectador a boas gargalhadas. Como marca registrada, adotava uma característica única e especial em todos os seus personagens, mantinha-se sempre impassível mesmo nas situações mais absurdas. Essa peculiaridade lhe atribuiu alguns apelidos criados pelos críticos, tais como O Grande Cara de Pedra e O Homem que Nunca Ri; isso porque realmente não alterava seu semblante sério e compenetrado. Com isso, pode-se dizer que Keaton foi precursor da famosa Experiência Kuleshov . Entre os anos de 1920 e 1929, Keaton produziu uma quantidade impressionante de filmes que o tornaram o maior ator e diretor da história do cinema.

Com a chegada do cinema falado, Keaton foi contratado pela MGM em 1928 e a partir daí, sua carreira passou a sofrer severas transformações; entre elas foi obrigado a aceitar a participação de um dublê para as cenas mais perigosas, recurso que jamais admitira usar até então. Ao longo de seu contrato coma MGM fez parceria com Jimmy Durante, porém o desgaste com a produtora levou-o a pedir demissão em 1933 tão logo concluiu as filmagens do filme No Beer? alegando ter sido o pior período de sua carreira artística. Em Hollywood trabalhou com os Irmãos Marx e Lucille Ball, além de assinar novo contrato com a Columbia Pictures. Entre os anos de 40 e 50 participou de várias produções com papeis secundários e atuou em programas televisivos. Em 1966 fez sua última aparição em tela no filme A Funny Thing Happened on the Way to the Forum. Ao longo da vida casou-se três vezes: Natalie Talmadge (com a qual teve dois filhos), Mae Scriven e Eleanor Norris. Faleceu em 1 de fevereiro de 1966 deixando um acervo fascinante e uma Estrela na Calçada da Fama.

Como fã incondicional do trabalho de Buster Keaton, sinto-me incomodada por não conseguir traduzir nessas linhas toda a obra desse grande ator e diretor tamanha foi a quantidade de filmes produzidos por ele, mas na medida do possível procurarei brinda-los com algumas jóias raras de sua filmografia.




A "rivalidade" entre Buster e Chaplin e a surpresa de 1952
Cabe aqui uma menção e um agradecimento a Dilberto do blog Morcegos que me sinalizou a respeito desta "estranha rivalidade" entre Buster Keaton e Charlie Chaplin. A história do cinema mudo traz muitas histórias e fantasias, entre elas a grande rivalidade que existia entre Keaton e Chaplin. Na verdade o que existia entre os dois gênios da época era uma grande amizade, tanto que em 1952 Chaplin produziu, dirigiu e atuou na sua grande obra Limelight (Luzes da Ribalta) e convidou nada mais nada menos que Buster Keaton para contracenar com ele. Um brinde e uma resposta aos críticos que tanto induziram o público a acreditar na rivalidade entre os amigos.

10 comentários:

Jose Ramon Santana Vazquez disse...

Gracias por toda la información que ofreces,es muy interesante,un placer visitarte,un abrazo.J.R.

Leonardo disse...

O Artista é realmente incrivel, mas 2011 teve outros filmes incriveis :D Principalmente a Invenção de Hugo Cabret se não viu assista, é praticamente uma aula de como surgiu o cinema. O proprio Buster Keaton aparece no filme, alem de tantos outros.
Acho muito interessante essa coisa da expressão do Keaton. Ele mostrou que alguem pode ser extremamente engraçado mesmo com a expressão sempre séria. Eu preciso assistir mais filmes dele, vou ver o que encontro pra baixar. A rivalidade dele com o Chaplin parece coisa pra vender jornal na época. Já que ambos faziam comédia e eram donos de seus filmes (por seres atores, produtores, diretores, roteiristas). Eles atigiam o mesmo publico, o que era e até hoje é muito bom, pois temos filmografias de dois gênios pra assistir :D

Por que você faz poema? disse...

Keaton? Agora voce acertou no lado do meu coração.

Tsu disse...

Oi Rubi!
Nossa eu já tinha lido um pouco á respeito desse cara..alias conheci ele naquele livro que ambas temos. De fato ele também era muito bom. Isso me fez lembrar do filme Sonhadores onde eles discutem se ele ou Chaplin era o melhor.
Ah vc andou sumida mesmo! Tipo te vi no msn uma noite dessas mas nem deu pra trocar idéias pq eu tava super atarefada.
Opa vc também foi uma "flogueira" então? Sabe quando fiz o post pensei que era a única (salvo excessões) que antes de ser blogueira tinha flog. Ainda bem que tem bastante gente que foi igual. Ixi logo logo vc vira e mexe vai ver posts nostálgicos nos Papos Furados kkkk.
Ah sim Noir! Bom espero que vc veja sim ^^. Agora outro q vale á pena vc ver é Monster mas esse vou fazer uma mega nova resenha quando o mangá ser lançado no Brasil.
bjs

Beatriz Alencar disse...

É incrível como a mídia cria essas rivalidades entre gênios, para fazer sensacionalismo e vender revista. Ótimo post!!

Fabi disse...

bom demais!

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Também sou super fã de Keaton. Um gênio!

O Falcão Maltês

Sahara Higino disse...

Aqui enredo-me em tudo que gosto.
Fico, desejo ficar.


Sigo-te;
Paz!

disse...

Quando vejo filmes em que Buster colaborou, como "Uma noite na Ópera" ou "A Bela Ditadora", sempre fico pensando quais foram as cenas que ele sugeriu.
Ele e Chaplin em "Luzes da Ribalta" estão ótimos, embora Keaton esteja com uma aparência quase irreconhecível.
Beijos!

Mione disse...

Ahh, Buster Keaton! Um gênio, e que legal que ele e Chaplin eram amigos!
Foi graças ao meu projeto que conheci ele, e foi uma das minhas grandes descobertas. Adoro ele, Sherlock jr é maravilhoso, assim como a General

Muito legal teu blog :)

Postar um comentário

Esse blog destina-se a trazer informações, curiosidades, músicas e muitas dicas. O universo de pesquisa é muito vasto e se você tiver interesse em algo ou alguém deste universo em especial, faça sua sugestão e na medida do possível tentarei apresentar um trabalho que lhe agrade.

 
↑Top